Blog

Como ter uma relação mais saudável com a comida?

15 de fevereiro de 2019

Você já percebeu que a nossa relação com a comida está intimamente ligada aos sentimentos? Desde a amamentação, por exemplo, o filho estabelece as primeiras conexões com a mãe, inclusive as emocionais. No decorrer da vida, essa relação toma proporções ainda mais significativas e em muitos casos, pode acarretar problemas emocionais e distúrbios alimentares.

Porém, o ato de comer também traz inúmeros benefícios, como aproximar as pessoas, por exemplo. Ao se alimentar, o ser humano produz hormônios relacionados ao prazer, como a endorfina, substância liberada também quando estamos cercados de pessoas de quem gostamos. A falta de tempo, fruto dos novos hábitos da vida moderna, tem afastado as pessoas e diminuído a qualidade dos alimentos ingeridos.

Na contramão dessa tendência, está o Slow Food, movimento criado na Itália em 1986 para retomar a importância do cuidado com a alimentação. A proposta é unir o prazer de comer com produção e consumo responsável dos alimentos. Isso quer dizer que ter um ritmo saudável de vida é tão importante quanto ser consciente de cada etapa que envolve a alimentação.

Além do Slow Food, outras atitudes também podem tornar nossa relação com a comida ainda mais prazerosa e saudável. Confira abaixo:

 

1 – Faça refeições em grupo

A história mostra que com a descoberta do fogo e o avanço no preparo dos alimentos, nossa espécie passou a se reunir para compartilhar a comida. E, dessa forma, a hora da refeição tornou-se uma espécie de ritual. O costume de reunir pessoas para comer está ligado à evolução e é capaz de estimular nossos instintos.

2- Divida as tarefas

Deixar a responsabilidade da alimentação com apenas uma pessoa da família pode ser difícil. Repartir os afazeres torna a atividade mais leve e prazerosa. Atividades como fazer a lista do supermercado, descascar e picar os legumes e até lavar a louça podem ser facilmente divididas.

3- Menos dieta e mais vida saudável

Em vez de embarcar em dietas da moda, consulte um médico ou nutricionista para verificar suas necessidades reais de alimentação. A saciedade de um corpo nutrido de verdade tornará as próximas escolhas mais conscientes em todas as refeições.

4- Coma comida de verdade

Evite abastecer a geladeira com congelados prontos. Esses alimentos ultraprocessados são ricos em sódio e gordura saturada, que colocam a saúde e o bem-estar em risco. Para fazer melhores escolhas, leia os rótulos. Privilegie itens naturais como frutas, legumes, verduras, grãos e cereais integrais e sementes. No caso de alimentos de origem animal, que tenham pouca ou nenhuma intervenção de rações, hormônios e aceleradores de crescimento.

5- Evite distrações à mesa

Quem se alimenta olhando o celular ou vendo televisão acaba ingerindo maior quantidade de comida do que o necessário. Isso acontece porque quando distraímos nosso cérebro, o corpo não percebe quando chega a saciedade e continua pedindo calorias. Aproveite o momento da refeição para ouvir suas necessidades e também para apurar os sentidos, apreciando o aroma, as texturas e os gostos.

 

Faça boas escolhas

Para facilitar uma relação mais saudável com a comida, escolhemos 3 cereais que são excelentes aliados nessa missão. Consumidos in natura ou misturados em receitas de doces e salgados, estes superalimentos podem ser facilmente encontrados em empórios e supermercados.

Amaranto

O amaranto é um cereal de origem andina com uma composição especial de proteínas que o tornam o maior aliado na redução do colesterol. Além disso, para pessoas com intolerância à lactose, torna-se um excelente complemento, fornecendo cálcio, fibras e outros minerais como magnésio, ferro, zinco e cobre.

Chia

A chia é uma semente consumida há gerações pelos povos nativos do México. Sua grande quantidade de minerais, fibras e vitaminas faz com que ela se torne uma riquíssima combinação de nutrientes. Conhecida como uma das maiores fontes vegetais de ômega 3, a chia auxilia na redução do colesterol, controle da glicemia e no combate ao envelhecimento precoce.

Quinoa

Em relação aos outros tipos de cereais, a quinoa é considerada a mais rica fonte de proteínas, vitaminas, minerais e aminoácidos, formando uma completa fonte nutritiva, com propriedades que se assemelham ao leite materno. Comer este grão auxilia no desenvolvimento da inteligência e da memória e no bom funcionamento do sistema nervoso. Além disso, suas fibras dão a sensação de saciedade, podendo favorecer o emagrecimento.

A Vitalin possui uma linha completa de alimentos inteiramente livres do processo de refinamento, mantendo as vitaminas, minerais e fibras originais. Além disso, nossa linha orgânica possui produtos certificados e inspecionados pelo IBD (Instituto Biodinâmico), que possui rigorosos padrões de conservação do meio ambiente e sustentabilidade do planeta, e contam com o selo de identificação do Sisorg (Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica), que você encontra em todas as nossas embalagens.

Clique aqui para conhecer a linha Integral

Clique aqui para conhecer a linha Orgânicos


Compartilhe este post

Fome Real x Fome emocional: qual a diferença?

15 de janeiro de 2019

Você já parou para pensar se sente fome ou apenas vontade de comer? Se você é daquelas pessoas que abrem a geladeira para pensar, mesmo de barriga cheia ou sempre sente vontade de comer um “docinho”, talvez você tenha Fome Emocional, que é diferente da fome natural que sentimos, também conhecida como Fome Real ou Fome Fisiológica.

A Fome Real é identificada por meio dos sinais que o corpo manda quando precisa comer para sobreviver e ingerir nutrientes para realizar suas funções vitais. Ela pode se manifestar de diversas maneiras, como a sensação de “vazio no estômago”, tontura, dor de cabeça e irritação.

Já a Fome Emocional, também conhecida como Fome Psicológica, não está ligada às nossas necessidades fisiológicas, e sim, com a mente. Geralmente aparece nos momentos em que achamos que precisamos nos recompensar com comida por alguma situação que abalou o nosso estado emocional. É aí que entram os famosos: “eu mereço” ou o “hoje pode”. O grande problema é que o cérebro é esperto, e sabe que a recompensa é maior com a combinação de açúcar e gordura.

A Fome Emocional também acontece naqueles momentos de “vontade” repentina de comer determinado alimento, ou socialmente, quando estamos em momento de confraternização, festas com amigos e almoços familiares. É aquele sentimento de compartilhar o alimento e de jogar conversa fora enquanto beliscamos.

Para identificar se sua forma é realmente fisiológica, você precisa estar atento aos sinais do corpo. A escala da fome, desenvolvida pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), ajuda a identificar as reações e é composta por 10 níveis, nos quais o 0 corresponde a “sem nada no estômago” e o 10 indica que está “realmente muito cheio, como um balão”.

Confira os detalhes da escala de 1 a 10:

1. Faminto: provavelmente com dor de cabeça. Não consegue se concentrar e começa a sentir-se tonto. Pode ter problemas de coordenação. Está sem energia e necessita deitar. Isto pode ocorrer durante uma dieta muito restritiva;

2. Não tolera nada: sente-se irritado, mal-humorado, com muita fome e com pouca energia. Pode até sentir náuseas. Está esfomeado;

3. O desejo de comer é forte: sente um vazio no estômago e a sua coordenação começa a diminuir;

4. Começa a pensar em comida: o seu organismo dá sinal de que quer comer. Está com alguma fome;

5. O seu corpo tem energia suficiente, tanto ao nível físico e psicológico e começa a se sentir satisfeito;

6. Sente-se satisfeito e confortável.

7. Passou o ponto da satisfação, no entanto, ainda consegue arranjar espaço para comer um pouco mais. O seu corpo diz “não” e a mente diz “sim” para mais algumas garfadas;

8. Já se sente cheio. Talvez fosse melhor não comer mais, mas está tão saboroso. Comer, para si, é a coisa mais importante e a sua vida centra-se na comida?

9. Está realmente desconfortável. Sente-se pesado, cansado e inchado. Já não socializa, prefere estar sozinho ou ir deitar-se. Será que perdeu a oportunidade de confraternizar para se centrar na comida?

10. Excessivamente cheio. Sente-se fisicamente desconfortável, não tem vontade de se mexer e sente que não volta a olhar mais para a comida.

Como lidar com a fome no dia a dia?

A atenção precisa ser plena enquanto você está se alimentando. Quanto mais conscientes estamos do que comemos, mais conectados ficamos com o nosso organismo. Por isso, nada de distração na hora das refeições, o que inclui o uso do celular, assistir TV, trabalhar e outras situações.

Além das distrações, evite também comer apressadamente, em uma reunião, no carro ou na frente do computador. Uma dica válida é buscar usar os 5 sentidos na hora de comer: sentir o cheiro, ouvir o barulho, ver o alimento e, se possível, até tocá-lo. Buscar identificar todos os sabores também vai trazer mais prazer e saciedade.

Optar por alimentos ricos em nutrientes e com alto efeito sacietógeno, que dão saciedade e são ricos em fibras solúveis, também é uma escolha inteligente para driblar a fome emocional. Por serem mais complexos, os alimentos com fibras exigem mais tempo de mastigação e permanecem mais tempo no aparelho digestivo. A aveia e o amaranto, por exemplo, são ótimos aliados da alimentação saudável e contribuem para a nutrição do corpo de maneira completa.

Entre os diversos tipos de cereais disponíveis no mercado, a aveia é considerada uma das mais ricas em fibras e excelente aliada da boa alimentação e da vida saudável. Fonte de minerais e vitaminas o cereal melhora o funcionamento intestinal, facilita a digestão, diminui o colesterol ruim e auxilia no controle  da quantidade de açúcar no sangue.

Por aumentarem a sensação de saciedade, as chias, são as queridinhas das dietas de emagrecimento e reeducação alimentar.

Seus grãos contêm uma grande quantidade de ácidos graxos do tipo ômega 3, que auxiliam no controle dos níveis do colesterol ruim (LDL) e dos triglicerídeos, fazendo muito bem ao coração. 

Conheça nossa linha completa de produtos integrais aqui.


Compartilhe este post

Integrais e sem glúten pós-festas de fim de ano

20 de dezembro de 2017

Dicas de pratos rápidos para desintoxicar e recuperar o seu bem-estar

Atire a primeira pedra quem nunca cometeu excessos à mesa nas reuniões de amigos, confraternização com a família e jantares durante as festas de fim de ano! A fartura de alimentos é típica na nossa cultura e resistir é para poucos.

Se você está entre a maioria que “se passou”, nada de se torturar ou, pior, deixar por isso mesmo. Saiba que existem alimentos que pela sua composição ou preparo ajudam a desintoxicar o organismo, trazendo de volta o bem-estar e a disposição.

Uma dica é incluir alimentos sem glúten, integrais e orgânicos na sua dieta.

A nutricionista com pós em nutrição funcional, Thaís Winter Zimmermann, preparou sugestões de receitas bem fáceis, com grãos e cereais, que vão restabelecer seu bem-estar.

Panqueca de banana e Aveia Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 1 ovo (45g)
  • 2 colheres de sopa de Aveia Flocos Finos Integral Vitalin Sem Glúten (20g)
  • 1 banana (40g)
  • Canela a gosto

Preparo

Em uma tigela, coloque o ovo, a aveia, a banana picada e a canela a gosto. Unte uma frigideira com óleo de coco e coloque a mistura. Deixe dourar dos dois lados e pronto!

Rende uma porção (187,84kcal)

Farofa de Quinoa Grãos Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 1 xícara (chá) de Quinoa Grãos Integral Vitalin Sem Glúten (200g)
  • Bacon em cubinhos (100g)
  • 3 dentes de alho picadinhos (6g)
  • 1 cebola grande picadinha (30g)
  • 1 cenoura grande ralada (60g)
  • Castanha de caju picadinha (50g)
  • Azeitonas verdes picadas (50g)
  • 2 colheres de sopa de cebolinha verde picadinha (12g)
  • 1 colher (sopa) cheia de manteiga (20g)
  • 6 ovos (250g)
  • Sal e pimenta-do-reino

Preparo

Cozinhe a quinoa em água fervente com sal por cerca de 7 minutos ou até ficar al dente. Escorra em uma peneira e leve ao fogo baixo, em uma frigideira, por cerca de 5 minutos ou até secar, mexendo de vez em quando (não seque demais para não endurecer). Retire e reserve. Na mesma frigideira, frite o bacon na própria gordura até ficar dourado e sequinho. Adicione o alho e a cebola e refogue até dourar levemente. Junte a cenoura, a castanha, a azeitona e cebolinha a gosto e misture rapidamente até a cenoura murchar (cerca de 2 minutos). Reserve.

Rende quatro porções (1000kcal)

Overnight Oats com Chia Grãos Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 50 ml de leite de coco
  • 1 colher (sopa) de Chia Grãos Integral Vitalin Sem Glúten (7g)
  • 1 banana picada (40g)
  • 1 colher (sobremesa) de Aveia Flocos Vitalin Sem Glúten (15g)
  • Mamão picado (140g)

Preparo

Em um pote de vidro coloque uma camada de leite de coco e a chia. Acrescente a banana picada. Na segunda camada coloque uma colher de farelo de aveia, mais uma camada do leite de coco e chia. Finalize com o mamão picado. Faça um dia antes de consumir e conserve em geladeira.

Validade: dois dias na geladeira (293,9kcal)

Profissional consultada

thais

Thaís Winter Zimmermann
CRN10 – 6104P
Nutricionista, graduada em Nutrição pela Católica de Santa Catarina e pós-graduanda em nutrição funcional Vp
Telefone: (47) 996049443


Compartilhe este post

6 dicas para substituir os ovos em uma receita

17 de dezembro de 2016

Não dá para pensar em fazer um bolo, pão ou doce sem usar ovos na receita. Verdade? Não. Apesar de o ovo ser o ingrediente mais usado para dar liga na massa, emulsificar ou, até mesmo, fazê-la crescer, existem muitas maneiras de substituí-lo e ainda garantir receitas gostosas e muito saudáveis. Se você é vegetariano, vegano ou intolerante à proteína do ovo, veja estas 6 dicas da Vitalin para substituir o ovo e bona petit!

Linhaça

A linhaça hidratada fica com uma consistência semelhante a da clara de ovo e dá uma liga ótima. Para quem não gosta da semente, pode utilizar a farinha ou triturá-la, que tem o mesmo efeito. A substituição é bastante simples: junte 1 colher de sopa de sementes de linhaça moídas com 3 colheres de sopa de água. Além de substituir o ovo, a linhaça é uma excelente adição de ômega 3 à sua receita. Saiba mais sobre os benefícios da linhaça. (link: Linhaça: alimento completo para manter a saúde em dia)

Chia

Conhecida como uma das maiores fontes vegetais de ômega 3, a chia pode ser adicionada em várias receitas. A dica é misturar uma colher de sopa de sementes de chia com 1/3 de copo de água para substituir um ovo. Deixe a mistura repousar durante 15 minutos e ela apresentará uma consistência espessa, similar à de um gel.

Banana ou Maçã

Uma das principais funções do ovo na receita é dar liga na massa. Neste caso, o purê de banana ou de maça costumam ser ótimos substitutos, principalmente em receitas doces, como cookies, pães e bolos. Lembre-se, porém, que o sabor da fruta costuma ficar na massa. Nesta opção, ½ banana madura amassada ou ¼ de copo de purê de maça substituem 1 ovo.

Ágar-Ágar

Para substituir a clara do ovo ou o ovo inteiro, use ágar-ágar. Bata bem 1 colher de sopa de ágar-ágar dissolvida em 1 colher de sopa de água. Deixe descansar na geladeira por 15 minutos e bata novamente antes de adicionar à receita. Duas colheres de sopa da mistura são equivalentes a 1 clara de ovo.

Manteiga de amendoim

A manteiga de amendoim (sem ser adoçada) também é um ótimo substituto do ovo. A proporção é de 3 colheres de sopa de manteiga para cada ovo.


Compartilhe este post