Blog

Fome Real x Fome emocional: qual a diferença?

15 de janeiro de 2019

Você já parou para pensar se sente fome ou apenas vontade de comer? Se você é daquelas pessoas que abrem a geladeira para pensar, mesmo de barriga cheia ou sempre sente vontade de comer um “docinho”, talvez você tenha Fome Emocional, que é diferente da fome natural que sentimos, também conhecida como Fome Real ou Fome Fisiológica.

A Fome Real é identificada por meio dos sinais que o corpo manda quando precisa comer para sobreviver e ingerir nutrientes para realizar suas funções vitais. Ela pode se manifestar de diversas maneiras, como a sensação de “vazio no estômago”, tontura, dor de cabeça e irritação.

Já a Fome Emocional, também conhecida como Fome Psicológica, não está ligada às nossas necessidades fisiológicas, e sim, com a mente. Geralmente aparece nos momentos em que achamos que precisamos nos recompensar com comida por alguma situação que abalou o nosso estado emocional. É aí que entram os famosos: “eu mereço” ou o “hoje pode”. O grande problema é que o cérebro é esperto, e sabe que a recompensa é maior com a combinação de açúcar e gordura.

A Fome Emocional também acontece naqueles momentos de “vontade” repentina de comer determinado alimento, ou socialmente, quando estamos em momento de confraternização, festas com amigos e almoços familiares. É aquele sentimento de compartilhar o alimento e de jogar conversa fora enquanto beliscamos.

Para identificar se sua forma é realmente fisiológica, você precisa estar atento aos sinais do corpo. A escala da fome, desenvolvida pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), ajuda a identificar as reações e é composta por 10 níveis, nos quais o 0 corresponde a “sem nada no estômago” e o 10 indica que está “realmente muito cheio, como um balão”.

Confira os detalhes da escala de 1 a 10:

1. Faminto: provavelmente com dor de cabeça. Não consegue se concentrar e começa a sentir-se tonto. Pode ter problemas de coordenação. Está sem energia e necessita deitar. Isto pode ocorrer durante uma dieta muito restritiva;

2. Não tolera nada: sente-se irritado, mal-humorado, com muita fome e com pouca energia. Pode até sentir náuseas. Está esfomeado;

3. O desejo de comer é forte: sente um vazio no estômago e a sua coordenação começa a diminuir;

4. Começa a pensar em comida: o seu organismo dá sinal de que quer comer. Está com alguma fome;

5. O seu corpo tem energia suficiente, tanto ao nível físico e psicológico e começa a se sentir satisfeito;

6. Sente-se satisfeito e confortável.

7. Passou o ponto da satisfação, no entanto, ainda consegue arranjar espaço para comer um pouco mais. O seu corpo diz “não” e a mente diz “sim” para mais algumas garfadas;

8. Já se sente cheio. Talvez fosse melhor não comer mais, mas está tão saboroso. Comer, para si, é a coisa mais importante e a sua vida centra-se na comida?

9. Está realmente desconfortável. Sente-se pesado, cansado e inchado. Já não socializa, prefere estar sozinho ou ir deitar-se. Será que perdeu a oportunidade de confraternizar para se centrar na comida?

10. Excessivamente cheio. Sente-se fisicamente desconfortável, não tem vontade de se mexer e sente que não volta a olhar mais para a comida.

Como lidar com a fome no dia a dia?

A atenção precisa ser plena enquanto você está se alimentando. Quanto mais conscientes estamos do que comemos, mais conectados ficamos com o nosso organismo. Por isso, nada de distração na hora das refeições, o que inclui o uso do celular, assistir TV, trabalhar e outras situações.

Além das distrações, evite também comer apressadamente, em uma reunião, no carro ou na frente do computador. Uma dica válida é buscar usar os 5 sentidos na hora de comer: sentir o cheiro, ouvir o barulho, ver o alimento e, se possível, até tocá-lo. Buscar identificar todos os sabores também vai trazer mais prazer e saciedade.

Optar por alimentos ricos em nutrientes e com alto efeito sacietógeno, que dão saciedade e são ricos em fibras solúveis, também é uma escolha inteligente para driblar a fome emocional. Por serem mais complexos, os alimentos com fibras exigem mais tempo de mastigação e permanecem mais tempo no aparelho digestivo. A aveia e o amaranto, por exemplo, são ótimos aliados da alimentação saudável e contribuem para a nutrição do corpo de maneira completa.

Entre os diversos tipos de cereais disponíveis no mercado, a aveia é considerada uma das mais ricas em fibras e excelente aliada da boa alimentação e da vida saudável. Fonte de minerais e vitaminas o cereal melhora o funcionamento intestinal, facilita a digestão, diminui o colesterol ruim e auxilia no controle  da quantidade de açúcar no sangue.

Por aumentarem a sensação de saciedade, as chias, são as queridinhas das dietas de emagrecimento e reeducação alimentar.

Seus grãos contêm uma grande quantidade de ácidos graxos do tipo ômega 3, que auxiliam no controle dos níveis do colesterol ruim (LDL) e dos triglicerídeos, fazendo muito bem ao coração. 

Conheça nossa linha completa de produtos integrais aqui.


Compartilhe este post

Integrais e sem glúten pós-festas de fim de ano

20 de dezembro de 2017

Dicas de pratos rápidos para desintoxicar e recuperar o seu bem-estar

Atire a primeira pedra quem nunca cometeu excessos à mesa nas reuniões de amigos, confraternização com a família e jantares durante as festas de fim de ano! A fartura de alimentos é típica na nossa cultura e resistir é para poucos.

Se você está entre a maioria que “se passou”, nada de se torturar ou, pior, deixar por isso mesmo. Saiba que existem alimentos que pela sua composição ou preparo ajudam a desintoxicar o organismo, trazendo de volta o bem-estar e a disposição.

Uma dica é incluir alimentos sem glúten, integrais e orgânicos na sua dieta.

A nutricionista com pós em nutrição funcional, Thaís Winter Zimmermann, preparou sugestões de receitas bem fáceis, com grãos e cereais, que vão restabelecer seu bem-estar.

Panqueca de banana e Aveia Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 1 ovo (45g)
  • 2 colheres de sopa de Aveia Flocos Finos Integral Vitalin Sem Glúten (20g)
  • 1 banana (40g)
  • Canela a gosto

Preparo

Em uma tigela, coloque o ovo, a aveia, a banana picada e a canela a gosto. Unte uma frigideira com óleo de coco e coloque a mistura. Deixe dourar dos dois lados e pronto!

Rende uma porção (187,84kcal)

Farofa de Quinoa Grãos Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 1 xícara (chá) de Quinoa Grãos Integral Vitalin Sem Glúten (200g)
  • Bacon em cubinhos (100g)
  • 3 dentes de alho picadinhos (6g)
  • 1 cebola grande picadinha (30g)
  • 1 cenoura grande ralada (60g)
  • Castanha de caju picadinha (50g)
  • Azeitonas verdes picadas (50g)
  • 2 colheres de sopa de cebolinha verde picadinha (12g)
  • 1 colher (sopa) cheia de manteiga (20g)
  • 6 ovos (250g)
  • Sal e pimenta-do-reino

Preparo

Cozinhe a quinoa em água fervente com sal por cerca de 7 minutos ou até ficar al dente. Escorra em uma peneira e leve ao fogo baixo, em uma frigideira, por cerca de 5 minutos ou até secar, mexendo de vez em quando (não seque demais para não endurecer). Retire e reserve. Na mesma frigideira, frite o bacon na própria gordura até ficar dourado e sequinho. Adicione o alho e a cebola e refogue até dourar levemente. Junte a cenoura, a castanha, a azeitona e cebolinha a gosto e misture rapidamente até a cenoura murchar (cerca de 2 minutos). Reserve.

Rende quatro porções (1000kcal)

Overnight Oats com Chia Grãos Integral Vitalin Sem Glúten

Ingredientes

  • 50 ml de leite de coco
  • 1 colher (sopa) de Chia Grãos Integral Vitalin Sem Glúten (7g)
  • 1 banana picada (40g)
  • 1 colher (sobremesa) de Aveia Flocos Vitalin Sem Glúten (15g)
  • Mamão picado (140g)

Preparo

Em um pote de vidro coloque uma camada de leite de coco e a chia. Acrescente a banana picada. Na segunda camada coloque uma colher de farelo de aveia, mais uma camada do leite de coco e chia. Finalize com o mamão picado. Faça um dia antes de consumir e conserve em geladeira.

Validade: dois dias na geladeira (293,9kcal)

Profissional consultada

thais

Thaís Winter Zimmermann
CRN10 – 6104P
Nutricionista, graduada em Nutrição pela Católica de Santa Catarina e pós-graduanda em nutrição funcional Vp
Telefone: (47) 996049443


Compartilhe este post

Pesquisa da Unicamp revela poder da chia na prevenção do câncer e do mal de Alzheimer

17 de dezembro de 2016

Pesquisadores recomendam uso regular da semente ou do óleo na comida. (Foto: Reprodução EPTV)

Há mais de 2 mil anos, a chia já era consumida pelos povos nativos da América Central. Hoje, ela é facilmente encontrada em empórios e supermercados e faz parte da dieta de quem procura uma alimentação saudável e rica em nutrientes.

Isso porque a chia é reconhecida mundialmente pela sua grande quantidade de minerais, fibras e vitaminas e por ser uma das maiores fontes vegetais de ômega 3, um ácido graxo essencial que nosso corpo não tem a capacidade de produzir.

Esta semana, um estudo do Departamento de Alimentos e Nutrição da Unicamp, em Campinas (SP), revelou que, além das propriedades nutritivas, o consumo da semente ou do óleo da chia pode ajudar na prevenção de vários tipos de doenças, entre elas o câncer e o mal de Alzheimer.

Segundo os pesquisadores, a chia possui um poder antioxidante que previne o envelhecimento precoce das células e ajuda a reduzir a quantidade de açúcar no sangue. “Nós verificamos que tanto com o consumo da semente quanto com o óleo de chia, mostrou um efeito anti-inflamatório, reduziu os níveis de colesterol em torno de 30% a 40% e também aumentou a concentração de ômega 3 nos animais”, explica a pesquisadora Rafaela Marineli sobre os resultados obtidos com o experimento.

A pesquisa para descobrir os efeitos da chia no organismo começou há quatro anos e foi divulgada esta semana pela Unicamp.


Compartilhe este post