Alimentos nutritivos para uma alimentação de verdade Cuidar da sua saúde e bem-estar é nossa prioriedade Mais praticidade e mais sabor Cuidar da sua saúde com ingredientes selecionados

Categorias

Doença celíaca pode ser genética?

19 de novembro de 2021

Muitas pessoas ainda têm dúvidas em relação à doença celíaca, e não sabem diferenciá-la da variação não-celíaca, da alergia ao trigo, entre outras questões que surgem com o diagnóstico dessa condição.

Uma das perguntas mais comuns sobre o tema é: a doença celíaca pode ser genética? Veja abaixo os detalhes sobre o assunto e mais informações sobre essa pergunta.

O que é a doença celíaca?

A doença celíaca é uma das formas mais conhecidas de intolerância ao glúten. As pessoas afetadas por essa condição podem sofrer danos no revestimento da parede do intestino delgado toda vez que ingerem algum produto que contém essa proteína.

Esse quadro pode gerar irregularidades intestinais graves e até mesmo danos à absorção de nutrientes por parte do sistema digestivo a longo prazo.

É genético?

Mas afinal, a doença celíaca, que afeta tantas pessoas no Brasil e mundo afora, pode ou não ser genética? Não apenas a doença celíaca pode ser genética, como geralmente a causa da condição é exatamente essa.

Por isso, a existência de parentes em primeiro ou em segundo grau com a doença pode ser uma dica valiosa para ajudar no diagnóstico da condição. É importante levar esse fator em consideração na hora de investigar os sintomas.

Mas lembre-se: apenas exames laboratoriais são capazes de confirmar se a doença celíaca é ou não um problema para você, já que o auto-diagnóstico sem a supervisão de um médico não possui eficácia.

Agora que você já sabe mais sobre a doença celíaca e como ela se origina, acompanhe o blog da Vitalin para receber mais informações sobre esse e vários outros assuntos relacionados à alimentação saudável.

Além disso, confira o catálogo da nossa loja, repleto de produtos deliciosos e que podem ser consumidos mesmo por quem possui alguma intolerância alimentar.


Compartilhe este post

Intolerância ao glúten: o que eu posso comer?

12 de novembro de 2021

Após realizar os exames corretos, você descobriu que possui algum nível de intolerância ao glúten, seja através da doença celíaca, não-celíaca ou até mesmo alguma alergia simples ao trigo. E agora? Sua alimentação deve mudar? O que fazer? O que deve ser retirado da dieta  por completo e o que pode ser consumido?

No caso da alergia ao trigo, os ajustes necessários são mais simples. Por mais popular que seja o trigo nos mais diversos pratos e receitas, trata-se apenas de um ingrediente que deve ser evitado ou substituído no dia-a-dia. Já nos outros casos, é necessário substituir uma grande gama de ingredientes na dieta.

Evite o glúten

Com a doença celíaca e a não celíaca, todo e qualquer alimento que contém glúten deve ser cortado da alimentação para evitar que o corpo reaja negativamente à ingestão dos mesmos. 

Isso inclui grande parte das massas, barras de cereais, sopas desidratadas, cervejas e basicamente todo e qualquer tipo de alimento, seja industrializado ou caseiro, cuja composição inclui cereais como o trigo, a cevada e o centeio como parte da receita.

Cardápio completo e diversificado

No entanto, essas restrições não significam que a dieta dos celíacos e intolerantes ao glúten deve ser limitada. Todos os tipos de frutas, carne vermelha, aves, peixes, leite e seus derivados, nozes, farinhas de mandioca, amêndoas, côco ou ervilhas e até mesmo alguns tipos de cereais como o arroz e a aveia são completamente livres de glúten naturalmente.

Essa gama de alimentos permite que a dieta de quem não pode ingerir glúten seja equilibrada e saborosa mesmo com as limitações impostas pelas suas condições alimentares.

Produtos especiais para celíacos

Mesmo com tantas opções, alguns alimentos podem fazer falta aos celíacos. Por isso, existem diversos produtos desenvolvidos especialmente para quem possui essa restrição.

A Vitalin possui uma linha completa de itens com esse perfil, que inclui produtos como: granola, chia, quinoa, cereais matinais, cookies e uma série de misturas para bolos, brownie, pizza, panqueca e torta, todos deliciosas e sem nenhum glúten na composição.

Além desses produtos, acompanhe nosso blog, e confira uma série de conteúdos pensados especialmente com esse perfil, como uma série de receitas e dicas de culinária no nosso site e nas redes sociais. 


Compartilhe este post

Doença celíaca na infância: conheça os 3 principais sintomas

5 de novembro de 2021

A doença celíaca pode se manifestar em diferentes fases da vida. Algumas pessoas obtêm a certeza do diagnóstico durante toda a vida, enquanto outras levam anos ou mesmo décadas para descobrir que possuem a condição.

Apesar de todas as particularidades de cada caso, é comum que a intolerância ao glúten se manifeste ainda durante a infância. Veja abaixo quais são os 3 principais sintomas dessa condição e como identificá-los.

Irregularidades intestinais

O sintoma mais comum que aponta algum nível de intolerância do organismo ao glúten é o desarranjo intestinal, que pode aparecer de diversas maneiras.

Na maior parte dos casos, quando uma criança com a doença celíaca ingere um alimento contendo glúten, podem ocorrer dores de barriga e quadros de diarréia. Essa situação, caso aconteça de maneira ocorrente e intensa, pode causar desidratação e perda de peso.

Além disso, esse desarranjo intestinal causado pela intolerância ao glúten pode aparecer em forma de gases internos ou mesmo constipação.

Manifestações na pele

As alterações cutâneas também podem surgir como resultado da resposta imunológica do organismo ao consumo de glúten. No entanto, é preciso lembrar que esse sintoma também pode estar associado à alergia ao trigo, uma doença completamente distinta e que exige outro tratamento.

Distensão abdominal

Um dos sintomas mais visíveis da doença celíaca em uma criança é a distensão do abdômen. Essa situação pode ocorrer, geralmente, associada aos sintomas gastrointestinais decorrentes do consumo de glúten.

A doença celíaca é uma das variações da intolerância ao glúten, e atinge milhões de pessoas no Brasil e ao redor do mundo. Durante muitos anos essas pessoas possuíam poucas opções de alimentos no mercado, e por isso sofriam de privações alimentares.

No entanto, esse mercado se desenvolveu e agora existem diversas opções nutritivas e saborosas para quem deseja evitar o consumo de glúten.

A Vitalin possui uma linha completa de produtos e que agrada a todos os gostos. Confira nosso catálogo e acompanhe nossas redes sociais para mais conteúdos.


Compartilhe este post

Como saber se tenho intolerância ao glúten?

22 de outubro de 2021

Estimativas apontam que até 2 milhões de brasileiros são intolerantes ao glúten, de acordo com a Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra).

No mundo, estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 1% da população vive com essa condição.

No entanto, não é possível contabilizar um número exato, já que muitas pessoas possuem essa condição, mas não sabem. Além disso, diversas pessoas descobrem a condição por acidente, quando enfrentam uma reação desencadeada pelo consumo da proteína.

Esses efeitos costumam levar à uma investigação para confirmar a intolerância.

Confira neste texto os principais sintomas e quais exames podem ajudar a diagnosticar a intolerância.

Sintomas

Para as pessoas que possuem intolerância ao glúten, mas não sabem, é possível observar os efeitos dessa condição no próprio corpo ao consumir alimentos com glúten. Ao ingerir essa proteína, o corpo pode apresentar uma série de sintomas. 

Observe a lista abaixo e veja se você se encaixa:

  • Barriga inchada e excesso de gases ao comer alimentos como macarrão e pão.
  • Tonturas ou cansaço após as refeições.
  • Enxaquecas frequentes.
  • Manchas vermelhas na pele.
  • Dor nos músculos.
  • Variação entre prisão de ventre e diarréia.

Exames 

Mas, será que não existe uma forma mais segura e menos agressiva de se checar uma possível intolerância ao glúten?

Atualmente existem diversos métodos laboratoriais que podem confirmar ou descartar uma série de intolerâncias alimentares, incluindo aquelas relacionadas ao glúten. Entre esses exames, estão o estudo molecular DQ8 e DQ2, anti-endomísio, transglutaminase tecidual e gliadina.

Todos esses exames são feitos via coleta laboratorial de sangue, e devem ser realizados em jejum, seguindo as recomendações do laboratório escolhido para realizar a checagem sanguínea. É recomendado fazê-los em conjunto, já que a realização de apenas um deles pode levar a um erro no diagnóstico.

Após os resultados, uma boa opção é observar como o seu corpo reage a uma dieta sem glúten. Dessa forma, é possível saber se a ausência dessa proteína na sua alimentação terá o efeito desejado, e assim confirmar o diagnóstico.

É importante lembrar que a maior parte dos exames laboratoriais foca em diagnosticar a doença celíaca, portanto, uma variação não-celíaca da intolerância ao glúten, ou outro distúrbio com sintomas semelhantes, como a alergia ao trigo, ainda podem ser uma possibilidade.

Independentemente de qual seja a sua intolerância alimentar, a Vitalin tem um catálogo repleto de produtos que podem ser consumidos sem restrições por qualquer pessoa, com uma série de alimentos completamente livres de glúten, lactose e repletos de sabor. Acesse nossa loja online e confira!


Compartilhe este post

Arroz tem glúten?

15 de outubro de 2021

O arroz é um dos alimentos mais consumidos do Brasil, sendo preparado de infinitas maneiras. Além disso, ele está presente nos mais variados tipos de pratos, desde os mais simples até os mais complexos.

Por isso, é natural que pessoas com intolerância ao glúten se preocupem em não poder consumir um dos ingredientes mais populares da dieta dos brasileiros. No entanto, aqui vai uma boa notícia: não é necessário perder o sono quanto a isso, já que o arroz não possui glúten.

O arroz e suas variações são naturalmente isentos de glúten. Isso inclui os mais diversos tipos de arroz, como o branco, o integral, o selvagem e até o asiático. Apesar de ter recebido o nome de “arroz glutinoso”, por conta da sua textura mais viscosa, ele também não possui glúten – mesmo com o nome sugestivo.

Fique de olho em outros grãos

No entanto, há muitos grãos que, diferentemente do arroz, possuem glúten naturalmente em sua composição. Alguns dos mais conhecidos são o trigo, o malte, a cevada e o centeio. É preciso observar, inclusive, que alimentos derivados desses grãos também possuem glúten em sua composição.  

Por isso, quem possui intolerância a essa substância deve ser cuidadoso para não apresentar sintomas como problemas gastrointestinais, tontura, coceira, dores musculares, gases, queratose, entre outros. Veja aqui como identificar os sintomas.

Cuidado com contaminações

Apesar de ser naturalmente isento de glúten, quem possui intolerância deve continuar sendo cuidadoso em relação ao arroz, pois há a possibilidade que aconteça contaminação cruzada. Ou seja, o arroz pode ter entrado em contato com outros grãos ricos em glúten durante o processo de produção ou empacotamento. 

Nessas situações, pode haver vestígios de glúten no arroz. Caso isso ocorra, podem ocorrer reações indesejadas em pessoas intolerantes. 

Para evitar esse tipo de problema, é importante se atentar à origem dos produtos, optando por comprar em locais confiáveis e que se preocupam com a saúde e bem-estar de seus consumidores.

Aqui na Vitalin oferecemos alimentos seguros e saborosos também para quem possui restrições em relação ao glúten. Acesse aqui a nossa loja virtual e conheça as opções disponíveis para você criar receitas deliciosas.


Compartilhe este post

Seja um Revendedor